Deuteronômio 24.1-4

Deuteronômio 24.1-4

Leis, na Bíblia, são antes de tudo parte de uma Instrução maior, com propósitos pedagógicos. Querem ajudar as pessoas a se tornar sensíveis para a realidade e para os outros, e a agir movidos por tal sensibilidade.

Deuteronômio 24.1-4 ilustra isso muito bem. Lendo essa passagem, Jesus vai perceber aí algumas coisas que normalmente não percebemos (cf. Marcos 10.2-9). Fariseus perguntam a Jesus se é lícito ao marido repudiar sua mulher (Marcos 10.2). Jesus pergunta: “O que vos ordenou Moisés?”. Eles: “Moisés permitiu”. Jesus: “Por causa da dureza do vosso coração ele vos escreveu esse mandamento” (10.5). Em seguida, Jesus explica: “Porém, no começo da criação, Deus os fez homem e mulher (…) Assim, já não são dois, mas uma só carne [Gênesis 2.24]. O que Deus juntou, não o separem os humanos” (Marcos 10.6-9).

Chama a atenção que Jesus contrapõe uma palavra bíblica a outra. E para ele, uma tem mais normatividade que a outra. Uma contém um mandamento que “Moisés escreveu”. A outra, remete ao “começo da criação”. Jesus explica que a determinação dada por Moisés é circunstancial, apropriada para o povo de Deus naquela época e dentro das condições de vida e compreensão que o povo tinha. O povo, diz Jesus, tinha “coração duro”. Por isso Moisés lhe deu normas correspondentes. Mas no começo da criação não era assim. Deus fez o casal humano como uma só carne, e voltar a ser uma só carne é o que eles buscam; esse é o propósito, em termos amplos, da relação entre homem e mulher.

Jesus nos dá aqui um critério maior, pelo qual julgar as “palavras de Moisés”. O critério é o começo da criação. No começo da criação está o coração de Deus, princípio de tudo. E no começo da criação está o próprio Jesus. Segundo João 1.1-5, Jesus é a Palavra (o Verbo) por meio de quem tudo foi criado. No coração de Deus, diz Jesus, tudo está junto, unido pela força do amor. Mas os humanos se deixaram levar pelo pecado. O pecado separa. Rompe, quebra, fragmenta. Isso se pode ver nas relações humanas, especialmente na relação homem-mulher.

Dia 175 – Ano 1