Números 19

Números 19

Em Números 18 vimos que a prática dos dízimos quer inculcar nas pessoas que não pensem só em si, mas também nos outros e na coletividade. Se alguém pensar que isso é pouco, é só observar o que faz a falta desse “pouco” em nossas sociedades atuais, onde todo mundo corre todo o dia pensando só em si, e em função do seu próprio benefício. 

Numa sociedade assim, fica complicado falar em ética. Ética supõe que as pessoas consigam enxergar os outros. Mas se elas não exercitam isso regularmente de algum jeito, dificilmente o farão na hora em que pensamos que teriam que fazê-lo. Os dízimos eram pedagógicos. Os abusos que os têm cercado ao longo da história do povo de Deus, não tiram deles este caráter pedagógico.

Números 19 fala sobre alguns rituais meio estranhos, pelo menos para nós. Em parte, a preocupação é aquela que já vimos nas leis sobre pureza e impureza. O cuidado quase obsessivo com a condição ritual de cada pessoa ao longo de cada dia, se ela estava pura ou se algo a tinha tornado impura, tinha a ver com o cuidado em relação à preservação dos espaços (o de Deus e o de cada uma das pessoas). As “invasões” tinham efeitos destrutivos sobre a boa ordem da criação divina, e ameaçavam trazer de volta o caos.

Este capítulo nos mostra que, além disso, havia uma preocupação com o que hoje chamaríamos de saúde pública. Vários elementos chamam a atenção. Primeiro, o uso constante de água com a função de limpeza (Números 19.7-8,13). Segundo, o uso de uma espécie de produto de limpeza, descrito no v.6 (pau de cedro, hissopo e estofo carmesim). O hissopo era uma substância associada à purificação e limpeza, como vemos por exemplo no Salmo 51.7. Terceiro, o uso deste “produto” num composto com água (v.18-21), que ao que parece tinha até nome especial: mêi nidá (água de purificação). Quarto, o cuidado em relação à água parada (v.15) e o valor dado à água corrente (v.17).

Hoje sabemos o quanto cuidados desse tipo podem fazer diferença na vida da sociedade. Também nisso os textos bíblicos querem atuar pedagogicamente.

Dia 135 – Ano 1