Juízes 13

Juízes 13

Em Juízes 13 começamos a ler a história de Sansão. Em certos aspectos ela não tem paralelo na Bíblia. O que até dificulta a sua interpretação. Qual é o sentido dela, exatamente? Por que ela foi incluída na narrativa bíblica? Nós hoje, o que podemos aprender com ela?

O v.1 situa essa história no tempo e no espaço. Os israelitas “voltaram a fazer o mal diante dos olhos do Senhor”, e Ele permitiu que os filisteus os dominassem, colocando-os à prova (é o que número “quarenta anos” sinaliza). 

Nesse capítulo é contada a história de Manoá e de sua mulher, que nunca é chamada pelo nome. O tema da mulher estéril que se torna mãe é recorrente na Bíblia (Sara, Rebeca, Raquel). A perspicácia narrativa nesse capítulo é digna de nota. Uma história bem contada, por alguém que sabe dizer as palavras certas, ou esperar para dizê-las no momento certo e do jeito certo. Estudiosos da Bíblia às vezes têm estado tão obcecados com outras questões, que têm deixado de perceber a beleza humana e poética  desse texto.

Ao contrário de outras histórias de mulheres estéreis que engravidam, essa não diz que a mulher teve relações com seu marido, nem faz alusão alguma a isso. Na verdade, o narrador ou narradora diz no v.6 “então a mulher foi ao seu marido”, invertendo o jeito tradicional de falar das relações sexuais (“o homem foi à mulher”). Até o v.10, o Anjo trata diretamente com a mulher. Do v.11 em diante, ele trata com Manoá. O casal, então, faz tudo em parceria (como se vê no v.15). 

Quando Manoá propõe fazer um sacrifício e uma oferenda ritual (v.15), o Anjo deixa claro que não comerá, e que sacrifícios e honras devem ser feitos ao Senhor, não a ele. Até então (v.16), Manoá não sabia que estavam falando com o Anjo do Senhor (como atesta depois o v.21). Realizado o sacrifício, o Anjo sobe ao céu dentro do fogo (v.20). Impressionado e temeroso, Manoá diz à mulher: “Com certeza morreremos, porque vimos a Deus” (v.22). Mas ela havia percebido melhor que ele o que se passava (v.23). O esperado desfecho é anunciado no v.24. A mulher dá à luz um menino, e lhe dá o nome de Sansão (“pequeno sol”).

Dia 219 – Ano 1